Copywriting e Persuasão
copywriting e persuasão, e-mail marketing

Copywriting e persuasão: tudo o que você precisa saber para vender mais

Copywriting e persuasão: tudo o que você precisa saber para vender mais

Atualmente, muitas pessoas decidem começar seu próprio negócio online e trabalhar com os programas de afiliados. Copywriting e persuasão.

E você já deve ter reparado que, alguns empreendedores simplesmente não conseguem resultados muito positivos. E pior ainda, muitas vezes, acabam até mesmo desistindo do projeto criado.

Enquanto isso, outros, mesmo trabalhando com o mesmo nicho e, muitas vezes o mesmo produto, conseguem não apenas ganhar dinheiro, mas chegam a fazer fortuna dessa forma.

É claro que sabemos que existem muitos fatores que influenciam no sucesso ou no fracasso de um empreendimento.

É justamente sobre um desses fatores que quero falar no artigo de hoje.

É bastante óbvio que a base de todo empreendimento são as vendas, certo?

E neste artigo vou falar sobre algo que tem o poder de aumentar exponencialmente as suas vendas, que o copywriting.

Portanto, abaixo você vai entender melhor do que se trata, vai descobrir o que você precisa pensar antes de fazer uma copy e vai entender quais são os elementos essenciais do copywriting.

O que é copywriting?

O copywriting é uma técnica bastante antiga, que surgiu nos anos 1800, e que, no entanto, só chegou ao Brasil nos últimos anos.

O principal objetivo de uma boa copy é fazer com que o leitor realize uma determinada ação, como assinar a sua newsletter, assistir um vídeo, clicar em um botão e, mais comumente, realizar uma compra.

E, é claro, quando esse modelo de texto chegou aqui no Brasil, foi responsável por uma explosão na vendas de alguns produtos e, consequentemente, pelo enriquecimento de alguns empreendedores.

Hoje, apesar de ter se tornado muito mais popular, as técnicas de copywriting ainda continuam um mistério para grande parte dos empreendedores digitais iniciantes.

Se você ainda está um pouco perdido e não sabe do que estou falando, não se preocupe, você vai entender isso agora mesmo!

Você já deve ter visto na internet pelo menos um (mas imagino que já tenha visto vários) daqueles vídeos de vendas.

Hoje eles são extremamente comuns e usados por infoprodutores de todos os nichos.

Se você já viu vários deles, já deve ter percebido que eles são bastante parecidos entre si, certo?

Alguns dos elementos que podemos identificar facilmente nesses vídeos são: a apresentação do autor, alguns gatilhos mentais, alguns depoimentos de outras pessoas que já utilizaram aquele produto e uma oferta irresistível no final.

Além disso, outro elemento fundamental além da copywriting é o storytelling, no qual, quem vende o produto vai contar que ele era uma pessoa comum, mas que ele descobriu algo que transformou completamente a vida dele e que, no final do vídeo, é exatamente esse conhecimento, essas técnicas que ele vai dividir com você no infoproduto que ele oferece.

Mas se você não entende bem o que são todos esses elementos, não se preocupe, pois mais abaixo, vou explicar cada um deles.

Antes disso, gostaria de deixar claro que, apesar de que os vídeos de vendas são os exemplos mais simples do que é uma copwriting, saiba que as técnicas podem e devem ser utilizadas em muitos outros tipos de texto.

Alguns exemplos são:

  • Anúncios.
  •     Vídeos de vendas.
  •     Cartas de vendas.
  •     E-mails.
  •     Blog posts.
  •     Catálogo de vendas.
  •     Outdoors, placas, faixas.
  •     Vídeos de lançamento de novos produtos.
  •     Banners em sites.

Como você pode perceber, uma boa copywriting pode ser utilizada em qualquer lugar para persuadir um cliente em potencial.

Alguns cuidados antes de criar sua copy

Se você tem interesse em utilizar as técnicas e dicas que vou ensinar abaixo, antes disso, você precisa pensar em alguns detalhes.

  •    Conheça o seu cliente

O primeiro passo é conhecer o seu cliente. Isso é essencial para que o seu negócio seja bem sucedido e é algo que vai fazer com que você consiga aumentar exponencialmente a sua renda.

Muitos empreendedores iniciantes cometem o erro de achar que apenas oferecendo o produto para o maior número de pessoas irão vender muito.

Entretanto, infelizmente, isso não é tão simples assim. Principalmente porque como você já deve ter percebido, a concorrência é grande e se ela está mais preparada do que você, é bem possível que ela esteja fazendo dinheiro, mesmo que você não esteja.

Por isso, é preciso conhecer, com o máximo de detalhes possível o seu público, entender como ele pensa, quais são as principais dores e dificuldades dele, quais são os sonhos, quais são as coisas que realmente movem essas pessoas.

Com essas informações em mente é muito mais fácil conseguir escrever algo que realmente alcance o seu público.

E, esse detalhe faz toda a diferença no número de vendas que você irá realizar e, consequentemente, na sua conta bancária.

  •     Conheça o seu produto

Outro fator essencial para trabalhar bem sua copywriting é conhecer com detalhes aquilo que você está oferecendo.

E a razão para isso é muito simples, você já deve ter passado pela situação de ir comprar um produto numa loja e, no entanto, ter algumas dúvidas sobre ele.

E quando você pergunta a um vendedor sobre esse produto, a maneira como a pessoa te responde faz toda a diferença, tanto pelas informações que ela passa, quanto pela segurança com que ela fala do produto.

E você já deve ter reparado o quanto isso influencia na hora da compra, certo?

Bom, quando o assunto é vender online, por mais que você não tenha um contato tão direto com quem está comprando de você, todos esses fatores também são importantes e influenciam muito na hora da venda.

Por isso, se você vai escrever uma copy, procure saber todos os detalhes sobre o seu produto e todos os diferenciais e vantagens que ele tem em relação à concorrência.

Elementos fundamentais do copywriting.

E agora que você já entendeu o que é uma copy, onde esse tipo de texto pode ser utilizado e o que você precisa saber antes de criar a sua, vamos à parte prática!

Preciso ressaltar que a persuasão é o principal objetivo da copywriting e essa persuasão se dá de várias formas e através da utilização de vários elementos.

Abaixo, portanto, você vai saber e entender melhor quais são os principais elementos de uma boa copywriting e que te ajudarão a persuadir o seu leitor.

1.  Storytelling

Em primeiro lugar, vamos falar da storytelling. Como o nome sugere, trata-se de contar uma história ao leitor. Normalmente, esta história é a do próprio criador do infoproduto.

A ideia da storytelling é aproximar o leitor do criador do infoproduto, de convencer o leitor de que quem criou o infoproduto é uma pessoa comum, como todas as outras, que estava lutando contra o mesmo problema que o leitor/cliente em potencial está.

E que, depois de muito tentar, procurar alternativas, falhar diversas vezes, ele conseguiu encontrar uma solução para este problema.

Mas não uma solução qualquer, uma solução que pode ajudar o leitor a resolver este problema também.

Gostaria de ressaltar que, como eu disse acima, o principal objetivo da storytelling é o de aproximar o leitor, através do processo de identificação.

E essa é, sem dúvidas, uma estratégia muito poderosa.

Não apenas porque mostra que o criador do infoproduto é igual ao leitor, mas principalmente porque mostra que o leitor pode se tornar o que o criador do infoproduto se tornou também.

Por exemplo, o objetivo de alguém que vende um infoproduto para concurso público, é mostrar que qualquer pessoa pode atingir esse objetivo com aquele conteúdo oferecido e se tornar um servidor público, da mesma forma como o criador do infoproduto se tornou.

 2.  Autoridade e resultados

Ainda relacionado com o storytelling, o conceito de autoridade também é importante. Pois para realmente emplacar a venda de um infoproduto, o criador precisa convencer o leitor de que ele realmente entende do que está falando.

Uma das melhores formas de se fazer isso é mostrando resultados.

Ainda usando o exemplo acima, alguém que quer vender um infoproduto sobre como passar num concurso público pode usar as próprias aprovações como demonstração dos resultados do método.

Da mesma forma, alguém que quer vender um infoproduto sobre emagrecimento, pode usar a própria história pessoal para promover o seu infoproduto.

Mostrando como era antes e como ficou depois de ter acesso aquele conteúdo, ou nesse caso, a determinado produto físico, como por exemplo, algum suplemento alimentar.

    3.  Depoimentos e prova social

Ainda relacionado com os dois itens acima, também temos os depoimentos. Eles também são essenciais e ajudam muito a convencer o leitor.

Afinal de contas, além de ter funcionado para quem está vendendo o produto, os depoimentos provam que ele já funcionou também para outras pessoas.

Essa é mais uma maneira de garantir ao cliente em potencial que aquele produto realmente funciona.

Diferente do depoimento de quem quer vender o produto, que tem portanto, o interesse em vender para ganhar dinheiro.

Os depoimentos de outros usuários são tão poderosos porque essas outras pessoas não estão ganhando nada com isso.

Eles funcionam, portanto, como prova social e são os elementos mais poderosos do marketing de indicação. Que ainda é um dos tipos de marketing mais poderosos.

E é bem fácil perceber o poder do marketing de indicação na nossa vida diária. Se você quer comprar um carro novo, por exemplo, é bem provável que você faça perguntas a um amigo que já teve aquele mesmo carro para ter certeza de que ele é realmente a opção certa para você. Não é mesmo?

    4.  Gatilhos mentais

Outro elemento fundamental de uma boa copy são os gatilhos mentais.

Gatilhos mentais são palavras ou termos que têm como principal objetivo causar determinadas emoções e sentimentos nos leitores.

Quando usados na copywriting, eles têm a capacidade de conectar melhor o cliente em potencial e ajudar na conversão.

Veja abaixo alguns gatilhos mentais e alguns exemplos de como eles podem ser utilizados em sua copy:

Urgência: o principal objetivo desse gatilho é o de despertar a sensação de urgência no seu cliente em potencial. É bastante utilizado em copys com termos como: tempo limitado, só hoje, agora, sua última chance etc.

Escassez: aqui a ideia é a de o produto que você está oferecendo é limitado e, portanto, também tem a intenção de influenciar o leitor a comprar rapidamente para não perder a excelente oportunidade que você está oferecendo. Alguns exemplos são: vagas limitadas, bônus disponível apenas para os primeiros 10 compradores etc.

Curiosidade: a curiosidade também pode ser usada como um gatilho mental. Para isso, você deve investir em títulos criativos que gerem a curiosidade do seu leitor. Pense que apenas conseguir fazer uma pessoa clicar num link, seja de um dos seus artigos, ou daquilo que você está vendendo, já é um passo enorme em direção ao seu objetivo.

Garantia: outro gatilho mental muito utilizado e muito importante para gerar confiança por parte do seu cliente em potencial é a garantia. Hoje, é muito comum oferecer pelo menos 30 dias de garantia. Ou seja, se o cliente adquirir o produto e não gostar, ele pode receber todo o dinheiro gasto de volta. Isso quer dizer que você confia tanto naquilo que está vendendo, que simplesmente não tem medo de precisar devolver o dinheiro.

Esses são apenas alguns exemplos mais comuns, mas existem muitos gatilhos mentais que você pode e deve utilizar em sua copy.

   5.  Bônus e oferta irresistível

Os últimos elementos de que quero falar aqui é sobre oferecer bônus e uma oferta irresistível.

Em primeiro lugar, vamos falar sobre bônus. Você já deve ter reparado que em muitos dos vídeos de venda é muito comum o vendedor oferecer diversos bônus.

Isso é importante porque é uma maneira de convencer o leitor sobre o quanto aquele produto que você oferece é algo fantástico.

Afinal de contas, ele não vai apenas receber o que você havia oferecido inicialmente, ele vai receber ainda mais do que isso.

Para fechar com chave de ouro, temos a oferta irresistível. E a melhor maneira de tornar sua oferta irresistível é a de falar quanto valeria o curso que você está oferecendo e, além disso, todos os bônus.

Aí então, você corta o preço pela metade, ou ainda menos do que isso e, é claro tem muito mais chances de vender.

Conclusão

Neste artigo você aprendeu tudo o que precisa sobre persuasão e sobre o que é copywriting.

Agora que você já sabe qual o poder do copywriting, comece a utilizá-lo hoje mesmo nos seus textos.

Espero que você tenha gostado deste artigo e não se esqueça de deixar seu comentário abaixo.

Isso é muito importante para que eu saiba como posso continuar te ajudando a construir um negócio de sucesso.

Livros fundamentais para você aprender mais sobre Copywriting e Persuasão

Para complementar um pouco mais sobre o assunto de copywriting resolvi deixar aqui para você algumas indicações de livros que sinceramente irão mudar a maneira como você escreve seus textos.

Sinceramente acredito que esses livros deveriam fazer parte da educação básica, no entanto como pouquíssimas pessoas tem acesso ao conteúdo desses livros eles acabam de tornando um ferramente essencial no canivete suíço das pessoas que trabalham com vendas e principalmente com copywriting e persuasão.

Se você ainda não os leu, recomendo que desligue seu computador e comece agora mesmo.

Posso dizer com clareza que divido minha vida em antes desses livros e depois desses livros.

Resumindo, vale muito a pena! Mesmo!

Clique nas imagens se quiser saber mais sobre os livros!

Livro As Armas da Persuasão – por Robert B. Cialdini

copywriting e persuasão
Copywriting e persuasão

Depois de passar anos caindo na lábia de vendedores, arrecadadores de doações e operadores de telemarketing, o psicólogo Robert B. Cialdini resolveu se dedicar ao estudo da persuasão. Ele queria entender quais são os fatores que levam uma pessoa a dizer “sim” a um pedido e que técnicas exploram melhor esses fatores.

Reunindo dados das mais recentes pesquisas científicas sobre o assunto, histórias de gente comum e a experiência adquirida ao se infiltrar em organizações que treinam os chamados “profissionais da persuasão”, Cialdini criou uma obra acessível, informativa e indispensável a todos aqueles que querem saber como influenciar pessoas e, ao mesmo tempo, se defender dos manipuladores.

Seis princípios psicológicos básicos governam o comportamento humano quando tomamos uma decisão e podem ser usados como verdadeiras armas.

Livro Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoaspor Dale Carnegie

Copywriting e persuasão
Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas

O guia clássico e definitivo para relacionar-se com as pessoas Não é por acaso que, mais de setenta anos depois de sua primeira edição, depois de mais de 50 milhões de exemplares vendidos, Como fazer amigos e influenciar pessoas segue sendo um livro inovador, e uma das principais referências do mundo sobre relacionamentos, seja no âmbito profissional ou pessoal.

Os conselhos, métodos e as ideias de Dale Carnegie já beneficiaram milhões de pessoas, e permanecem completamente atuais. Carnegie fornece, nesse livro, técnicas e métodos, de maneira extremamente direta, para que qualquer pessoa alcance seus objetivos pessoais e profissionais.

 

Espero que possa aproveitar as indicações dos livros, fizeram muita diferença no meu negócio.

Aproveite e leia também o artigo: E-mail Marketing. Por que você precisa usar essa estratégia?

​Read More
infoprodutos
Como trabalhar na Internet, e-mail marketing, Produtividade

7 dicas de como criar infoprodutos de maneira rápida.

7 dicas de como criar infoprodutos de maneira rápida.

Nos últimos anos, muitas pessoas decidiram começar um negócio online vendendo infoprodutos como afiliados. E não é incomum encontrarmos na internet depoimentos de pessoas que tem ganhado muito dinheiro dessa forma.

Tudo isso, independente do nicho de mercado escolhido, independente da concorrência e de vários outros fatores.

Se você fizer uma breve pesquisa na internet irá perceber que esse é um mercado que tem espaço para todo mundo, desde que o empreendedor saiba utilizar as estratégias e ferramentas corretas, é possível fazer muito dinheiro!

Agora, pare um pouco e pense em quem está do outro lado dessa equação, ou seja, quem está criando estes infoprodutos.

Sem dúvidas, essas pessoas estão ganhando ainda mais dinheiro e de forma muito mais fácil.

Por isso, criar seu próprio infoproduto é uma excelente opção para quem quer ganhar dinheiro trabalhando na internet.

E, se você é uma dessas pessoas, abaixo você irá entender o que são os infoprodutos e descobrir como criar o seu próprio infoproduto de forma rápida.

O que são infoprodutos?

Os infoprodutos, também conhecidos como produtos digitais, são produtos que como o próprio nome já diz, não são tangíveis, ou seja, não são físicos. Tratam-se, portanto, de materiais que podem ser disponibilizados de forma digital.

Alguns exemplos de produtos digitais e infoprodutos são:

  • Treinamentos e cursos online.
  • Clubes/Sites de membros.
  • E-books.
  • Audiobooks.
  • Vídeo-aulas.
  • Aplicativos.
  • Apostilas.
  • Templates.
  • Podcasts.
  • Palestras.
  • Jogos.
  • Webnários.

Como criar infoprodutos passo a passo

Uma das principais dificuldades de quem quer criar um infoproduto pela primeira vez é saber como fazer isso.

Muitas pessoas não sabem por onde começar perdem muito tempo e acabam desistindo no meio do caminho.

A melhor solução para criar infoprodutos de maneira rápida é ter um caminho em mente, ou seja, um passo a passo definido.

E para te ajudar nessa tarefa, abaixo você confere como criar seus infoprodutos passo a passo.

  1. Escolha um nicho

O primeiro passo para criar infoprodutos é a escolha de um nicho, ou seja, uma área de interesse. Hoje é possível ganhar dinheiro criando infoprodutos em todos os nichos.

Na hora de escolher o nicho do seu infoproduto, no entanto, é preciso levar alguns fatores em consideração.

O primeiro deles é o seu interesse. Quanto mais interessado você estiver no assunto que você irá trabalhar, mais fácil e mais prazeroso será o processo de desenvolvimento desse produto.

Além disso, você também precisa pensar em termos de concorrência. Quanto maior for a concorrência, mais difícil será emplacar o seu infoproduto no mercado.

Portanto, se você tem uma ideia de um produto exclusivo, que ainda não tem nada parecido no mercado, ou se você é autoridade em algum nicho, você até pode escolher um nicho concorrido.

Do contrário, a minha dica é de que você escolha um nicho com menos concorrência. Assim fica mais fácil de vender no começo e de conseguir escalar seu negócio.

Também é importante pensar em termos de lucratividade e a maneira simples de se saber se um nicho é lucrativo ou não é pensar se as pessoas realmente pagariam para aprender algo nesse nicho e receber aquele conteúdo oferecido por você.

  1. Descubra quem é seu público-alvo

Definir seu público-alvo também é de extrema importância e é o que vai guiar os passos seguintes.

Por isso, depois de definir qual o nicho que você quer trabalhar, você também precisa pensar em quem é o seu público-alvo.

Por exemplo, seu público-alvo é formado por jovens ou pessoas mais velhas, homens ou mulheres, pessoas que trabalham em uma determinada área, estudantes, mães etc.

Tudo isso vai influenciar não apenas no que você vai desenvolver, mas também em como você vai desenvolver, como por exemplo, em qual a linguagem que você deve utilizar (mais ou menos formal, mais próxima do leitor etc).

Também é importante ressaltar que, às vezes, você prepara algo para um determinado público-alvo e, no fim das contas, acaba recebendo atenção de um público distinto.

Isso pode acontecer e aí então, talvez você precise fazer algumas adaptações em seu projeto. No entanto, de qualquer forma, definir seu público-alvo ideal, antes de começar, é essencial para o sucesso do seu infoproduto.

  1. Pense numa solução

Outro passo essencial para criar um infoproduto de sucesso é pensar numa solução. Todo negócio bem sucedido oferece uma solução para um determinado problema que algumas pessoas enfrentam.

Embora isso possa parecer óbvio, muitas pessoas se esquecem disso na hora de criar um infoproduto e acabam não obtendo sucesso com ele.

Por isso, depois de pensar num nicho e num público-alvo, também é importante pensar em que tipo de problema essas pessoas enfrentam em relação a esse determinado nicho. E mais importante, qual a melhor solução para este problema.

Para isso, crie uma lista de problemas que essas pessoas enfrentam e procure os 2 ou 3 que sejam os mais comuns e que não sejam tão fáceis de resolver. Depois, encontre soluções práticas e definitivas para estes problemas.

Procure pensar em algo que realmente faça a diferença na vida dessas pessoas e que seja muito importante para elas. Dessa forma, você aumenta as chances do seu produto vender muito.

  1. Escolha um tipo de infoproduto

O próximo passo é escolher o tipo de infoproduto correto para aquilo que você quer oferecer. Em primeiro lugar, é importante pensar na solução que você vai oferecer e aí então tentar definir em que tipo de infoproduto ela poderá oferecer melhores resultados ao seu público.

É esperado que você acabe encontrando vários tipos de infoprodutos de acordo com as suas escolhas anteriores.

Mas, além disso, você também pode pensar em outros fatores, como por exemplo, o preço que você quer vender seu infoproduto e o lucro que você quer ter com ele.

Se você pretende oferecer seu infoproduto nas plataformas de afiliado, é importante lembrar que você precisará pagar comissão para quem vender seu produto e uma taxa para a plataforma.

Também é importante pensar o seguinte, de maneira geral, quanto mais caro você cobrar, mais você precisará investir (seu tempo, energia, ou dinheiro) na criação de autoridade no seu nicho.

Pois para pagar um valor alto num infoproduto, construir autoridade ainda é a melhor forma de fazer com que as pessoas confiem em você e comprem aquilo que você está oferecendo.

O preço dos infoprodutos costumar variar bastante, existem desde infoprodutos mais simples que custam menos de R$ 50 até infoprodutos que chegam a custar mais de R$ 5.000.

Tudo depende daquilo que você está oferecendo, da sua autoridade no nicho e da disponibilidade do seu público de pagar o que você está pedindo.

  1. Pesquise, pesquise e pesquise

Agora que você já definiu tudo acima, o próximo passo é realizar uma pesquisa aprofundada no conteúdo daquilo que você quer oferecer.

Por mais que você tenha experiência e conhecimento no nicho do produto que você irá criar, é importante que você pesquise para saber o que está em alta e para se atualizar.

Procure fazer uma pesquisa bem extensa, saiba quem são os nomes de maior autoridade no seu nicho, se houver, e saiba o que eles estão falando, oferecendo e ensinando ao seu público.

  1. Crie seu conteúdo

O próximo passo é criar o conteúdo daquilo que você irá oferecer. Em primeiro lugar, tenha um esboço de como você irá organizar este conteúdo e depois parta para a criação de cada uma dessas partes.

Além disso, a criação do conteúdo também depende bastante das decisões anteriores. Se você vai criar um e-book, por exemplo, você não precisa de um conteúdo tão extenso quanto o conteúdo de um site de membros.

Se o seu conteúdo é voltado para adolescentes, a linguagem que você deve utilizar é diferente da linguagem utilizada para falar com empreendedores.

No entanto, de modo geral, é importante oferecer sua solução da forma mais simples possível. Assim, você conseguirá se fazer entender a um número muito maior de pessoas e evitará problemas com os seus clientes.

  1. Crie seu infoproduto

Depois de criado o seu conteúdo, é preciso criar, de fato, o seu infoproduto. Ou seja, se você irá oferecer vídeo-aulas é preciso gravá-las, se irá oferecer um e-book é preciso organizá-lo, diagramá-lo etc.

E não se esqueça que os passos acima, como o seu público-alvo e o seu nicho também devem ser levados em consideração na hora da criação de um design ou da identidade visual daquilo que você irá oferecer.

Dica extra: terceirização

Além das dicas acima, decidi te oferecer também uma dica extra que é a terceirização. Para facilitar ou mesmo para criar seu infoproduto mais rápido, você pode terceirizar qualquer parte do passo a passo acima.

Ao contratar um profissional que realmente entenda do assunto, ele não apenas irá te entregar um trabalho mais rápido do que você normalmente faria sozinho, mas também irá te entregar algo de qualidade.

Por isso, se você estiver com dificuldade, uma ótima dica é terceirizar parte do processo, ou mesmo o processo todo.

Como vender seus infoprodutos

No entanto, apenas criar um infoproduto e não saber como vendê-lo não adianta nada, concorda comigo?

E para te ajudar também nesta parte, abaixo vou dar algumas dicas de como vender seus infoprodutos. Confira:

  1. Ofereça para amigos e conhecidos

O primeiro passo é oferecer seu produto digital para seus amigos e conhecidos. Mas você não precisa sair oferecendo para todo mundo!

É bem provável que no seu círculo de amigos você tenha algumas pessoas que precisem daquela solução que você está oferecendo. Por isso, foque nessas pessoas e procure conversar com elas e dizer que você criou algo que pode ajudá-las.

É bem provável que algumas delas acabem comprando seu infoproduto e que você consiga levantar algum dinheiro inicial.

  1. Redes sociais

Você também pode oferecer o seu infoproduto nas redes sociais. E isso inclui tanto oferecer na sua página para seus amigos ou conhecidos, ou de outras formas, dependendo da rede social.

No Facebook, por exemplo, você pode oferecer seu produto em grupos de pessoas que estejam interessadas no seu nicho. No Instagram e no Twitter, você pode fazer uso das hashtags para chamar atenção de clientes em potencial.

No entanto, todas as redes sociais podem ser utilizadas para promover seu infoproduto, de acordo com as especificidades de cada uma delas.

  1. Plataformas de afiliados

Outra excelente forma de oferecer seu produto e, sem dúvidas, a que mais tem chance de ajudar você a crescer, é oferecer seu produto nas plataformas de afiliados.

Cada plataforma tem suas especificidades quanto aos produtos aceitos, mas desde que seu produto realmente seja de qualidade, você pode enviá-lo para várias plataformas.

O grande benefício de se fazer isso é que você passa a ter milhares de vendedores à sua disposição. Ou seja, você passa a ter pessoas vendendo para você. Com isso, você ganha dinheiro muito mais fácil e pode ganhar quantias muito mais altas.

Além disso, as plataformas costumam cobrar apenas uma taxa por produto vendido. O que quer dizer que você não precisa investir dinheiro para começar.

  1. Marketing de conteúdo

O marketing de conteúdo também é uma excelente forma de promover seu infoproduto. E, além disso, é uma excelente forma de você se tornar autoridade no seu nicho.

Hoje, a grande maioria dos criadores de infoprodutos tem seu próprio blog, no qual oferecem conteúdo gratuito para seus clientes em potencial. E, dessa forma, acabam aumentando as chances de vender o produto digital criado.

  1. E-mail marketing

O e-mail marketing também é uma forma excelente de se oferecer seu infoproduto. Ele conta com uma das melhores taxas de conversão do mercado.

No entanto, é preciso ter muito cuidado, já que esta é também uma das estratégias de marketing digital mais perigosas, pois com ela você corre o risco de acabar na caixa de spam e acabar criando uma imagem negativa do seu infoproduto no mercado.

E se você quiser saber mais sobre esse assunto, leia também o artigo: Importância de ter uma lista de e-mails em um negócio online.
Nele eu explico tudo o que você precisa saber para trabalhar com e-mail marketing.

Conclusão

Neste artigo você aprendeu o que são os infoprodutos, além do passo a passo para criar o seu de forma rápida. E, além disso, aprendeu também sobre as principais formas de divulgar e promover seu produto digital.

Agora você já sabe tudo o que precisa para começar a ganhar dinheiro criando seu próprio infoproduto!

Se quiser conhecer um passo a passo que irá te ensinar como montar todo o seu negócio online partindo do zero, mesmo que você seja um total iniciante recomendo dar uma olhada aqui:

Quero criar meu negócio online do zero!

Espero que você tenha gostado do artigo e, se gostou, não se esqueça de compartilhá-lo nas redes sociais. Assim você ajuda outros amigos, que como você, também estão procurando formas de ganhar dinheiro online.

 

​Read More
e-mail marketing
e-mail marketing, Produtividade

E-mail Marketing. Por que você precisa usar essa estratégia?

Por que é tão importante usar uma estratégia de e-mail marketing?

Atualmente, existem muitas estratégias de marketing digital disponíveis. E é bastante comum que o empreendedor que está começando fique perdido em meio a todas elas. E-mail Marketing, vídeos informativos, branding, infográficos… São algumas das opções.

Embora a utilização de diversas estratégias seja algo necessário para o crescimento e desenvolvimento de um negócio que realmente seja lucrativo.

Neste artigo resolvi falar sobre o e-mail marketing, que é, sem dúvidas, uma das estratégias mais importantes.

Portanto, abaixo você irá saber exatamente porque esta estratégia é tão importante. O passo a passo para criar uma lista de qualidade. E, por último, 2 erros que você não pode cometer!

Por que é tão importante trabalhar com e-mail marketing?

Para começar, abaixo você irá descobrir por que é tão importante ter a sua lista de e-mails e trabalhar com e-mail marketing. Vamos lá?

1. Todo mundo tem um e-mail

Primeiro, vamos começar com o básico! Embora a utilização das redes sociais tenha crescido muito nos últimos anos, o bom e velho e-mail ainda ganha quando o assunto é o número de usuários.

Segundo dados estatísticos mais de 90% dos adultos que utiliza a internet com regularidade têm pelo menos uma conta de e-mail.

Além disso, dados também revelam que 60% dessas pessoas verificam o e-mail pelo menos uma vez todos os dias.

Ou seja, em termos de alcance, o e-mail ainda é a melhor opção dentre todas as estratégias de marketing digital.

2. Alto nível de engajamento

Em termos de engajamento, os índices do e-mail marketing também são bastante atrativos.Na verdade, o email marketing ainda é uma das estratégias com maior nível de engajamento.

Pesquisas revelam que o e-mail, quando utilizado da maneira correta, chega a ser 40 vezes mais efetivo do que a utilização do marketing de redes sociais. Isso mesmo que você leu, 40 vezes!

Isso quer dizer que as pessoas têm muito mais probabilidade de ler o seu conteúdo e interagir com você através do e-mail. Por isso, essa estratégia deve ser um dos pilares do seu negócio.

3. Altas taxas de conversão

Quando o assunto é comprar, o e-mail marketing também apresenta taxa maior do que as redes sociais.

Essa taxa chega a até 70%, que é uma das maiores taxas de conversão no marketing digital.
Além disso, pesquisas também informam que quase 50% dos usuários do e-mail compram, pelo menos uma vez por ano, um produto que receberam através do e-mail marketing.

4. Não ter uma estratégia de e-mail marketing é jogar dinheiro fora.

As 3 razões acima, sem dúvidas, por si só, são ótimas razões para se adotar o e-mail marketing.

No entanto, a principal razão pela qual você deveria criar uma estratégia de e-mail marketing é para não jogar dinheiro fora. E abaixo você vai entender exatamente por que estou dizendo isso.

Imagine que você gastou dinheiro, tempo e energia para construir um blog. Depois você gasta horas e horas criando conteúdo de qualidade e que realmente entregue informações valiosas para os seus leitores.

Você investe em diversas estratégias como marketing de conteúdo, SEO, marketing de redes sociais, tudo para gerar tráfego para o seu blog.

E, no entanto, o que acontece com muita frequência é que você até consegue atrair bastante tráfego. Mas as pessoas simplesmente não voltam ao seu site.

E é exatamente assim que você joga seu dinheiro fora! Afinal de contas, quanto mais vezes o seu leitor voltar ao seu blog, maior é a chance dele comprar aquilo que você oferece.

Não sei se você já ouviu isso antes, se não ouviu ainda, anote para não esquecer: a base de um negócio online bem sucedido é o relacionamento que você estabelece com o seu cliente em potencial.

É através desse relacionamento que você irá conseguir não apenas vender para ele, mas transformá-lo em um cliente fiel, que sempre compra com você.

Outra coisa muito comum é a seguinte, você produz um conteúdo super interessante, as pessoas até voltam ao seu blog com alguma frequência. No entanto, na hora de comprar o produto, elas acabam comprando com o seu concorrente.

Esse é outro problema muito comum entre os empreendedores iniciante que não tem uma boa estratégia de e-mail marketing.

E é por esses motivos que citei acima que você precisa ter uma estratégia de e-mail marketing se não quiser continuar jogando dinheiro fora.

Afinal de contas, é através do e-mail que você vai fazer com que seu leitor se lembre de você constantemente, saiba todas as novidades em termos de conteúdo que você está oferecendo no site e nas redes sociais.

E, mais importante, é através do e-mail que você irá transformar um lead em um cliente, através do envio de ofertas.

Segundo estatísticas, um lead precisa ter contato com um produto ou uma oferta de 5 a 7 vezes antes de efetuar a compra. Por isso, simplesmente fazer uma review de um produto e colocá-la no blog não funciona!

É preciso educar o lead, fazê-lo entender que aquela oferta é algo que realmente pode fazer uma grande diferença na vida dele. Fazer com que ele entenda que ao comprar o produto ele irá conquistar algo que ele realmente deseja.

E o e-mail marketing ainda é um dos melhores aliados do empreendedor digital na hora de fazer isso.

Bom, acredito que agora você já entendeu porque é tão importante adotar esta estratégia para o crescimento do seu negócio, certo?

Então como você vai construir uma estratégia de e-mail marketing de sucesso?

Bem, agora que você já entendeu a importância de se construir uma lista de e-mails e adotar a estratégia de e-mail marketing, vou falar de como construir uma lista de qualidade.

1. Plataforma de e-mail marketing

A primeira coisa que você precisa fazer é escolher uma plataforma de e-mail marketing. Hoje existem diversas opções no mercado e, inclusive, diversas opções gratuitas.

O problema das opções gratuitas é que elas oferecem recursos limitados. No entanto, são uma ótima opção para começar. E depois, com o tempo, você pode optar por uma plataforma paga.

As principais plataformas que podem ser utilizadas gratuitamente são: o MailChimp, o E-goi, o Sendinblue, o Mautic e o Benchmark e-mail.

Entre as pagas existem também diversas ferramentas ótimas no mercado, eu particularmente uso e recomendo o LeadLovers, com ele obtive resultados que não havia conseguido com nenhuma outra ferramenta até então!

Cada uma delas tem suas especificidades quanto ao número de contatos, número de disparos mensais de e-mails e da disponibilidade em Língua Portuguesa ou Inglesa.

Além disso, elas também apresentam pequenas diferenças nas suas funcionalidades. Como quais os relatórios estarão disponíveis na versão gratuita, a possibilidade de fazer testes A/B, templates gratuitos etc.

No geral, as plataformas são parecidas, mas é importante que você pesquise mais a fundo cada uma delas e descubra qual é a melhor opção para você.

2. Isca digital

O segundo passo na criação da sua lista de e-mails é a criação de uma isca digital. Atualmente o tipo de isca mais utilizado é o e-book, no entanto, você também pode oferecer outros materiais, como templates, infográficos etc.

O importante sobre sua isca digital é que ela deve estar relacionada com algum problema enfrentado pelo seu público-alvo e que ofereça uma solução para este problema.

É através do oferecimento de uma isca extremamente atrativa ao seu público, que você conseguirá aumentar exponencialmente sua lista em pouco tempo.

Para obter acesso a este conteúdo, o seu leitor precisará preencher um breve formulário de captura. Nesse formulário você deve pedir algumas informações essenciais, como nome e e-mail do leitor.

E é assim que você começa a construir uma lista de e-mails qualificada. Ou seja, composta de pessoas que realmente tem interesse naquilo que você tem a oferecer.

3. Envie conteúdo de valor

Essa parte, sem dúvidas, é o verdadeiro desafio em relação ao e-mail marketing. O fato de que alguém assinou a sua lista não quer dizer que essa pessoa vai continuar na sua lista para sempre.

Muitas pessoas assinam a lista apenas porque querem ter acesso ao conteúdo da isca digital. Portanto, para fazer com que essas pessoas continuem na sua lista é preciso tomar alguns cuidados.

Em primeiro lugar é importante saber o que enviar para a sua lista. Diferente do que muitos empreendedores iniciantes acreditam. Apenas enviar uma oferta e esperar que magicamente toda a sua lista compre o seu produto, não vai acontecer!

Na verdade, um dos erros que muitos iniciantes cometem é o de enviar apenas ofertas. O que costuma fazer com que ou você vá parar na caixa de spam ou que as pessoas peçam para sair da sua lista.

Segundo especialistas em marketing digital, o ideal é utilizar a lei de Pareto. Ou seja, neste caso, enviar 80% dos e-mails com conteúdo e apenas 20% dos e-mails com ofertas.
Isso faz com que quem assina a sua lista esteja sempre interessado naquilo que você tem a dizer e, consequentemente, muito mais aberto a comprar com você.

4. Relacionamento

Como eu já disse lá em cima, outro fator essencial que todo empreendedor digital precisa ter em mente é o relacionamento. Ele é a base das suas vendas!

E para criar um bom relacionamento com o seu público, alguns cuidados são necessários. Em primeiro lugar, é preciso pensar em como você irá falar com o seu público.

Isso importa, na verdade, para qualquer conteúdo que você for oferecer, seja no blog ou nas redes sociais. É importante tentar se colocar no lugar do seu cliente ideal e imaginar como ele gostaria que você falasse com ele.

Uma dica prática é sempre colocar o nome do cliente no e-mail e finalizar com o seu nome e não apenas o nome da empresa. Essa simples medida faz com que seu cliente em potencial se sinta muito mais próximo de você.

Além disso, também é importantíssimo incluir sempre no e-mail uma call to action, ou seja, uma chamada para ação.

Essa call to action pode variar dependendo do tipo de e-mail que você envia e pode levar o seu leitor a realizar várias ações. Como ir até o blog, conferir um vídeo no Youtube, comprar um produto etc.

2 erros que você não deve cometer

E para te ajudar a realmente construir uma lista de e-mails de qualidade, veja os 2 erros que você jamais deve cometer. Confira:

• Comprar listas

Embora quem já trabalha com marketing digital sabe que comprar uma lista de e-mails é um erro enorme, para quem está começando, isso pode parecer uma boa opção. Mas, acredite, não é!

Isso porque quando você oferece uma isca e as pessoas assinam sua lista, você sabe que aquelas pessoas estão minimamente interessadas no seu nicho.

Ainda que seja apenas por curiosidade em saber o que você irá dizer naquele material, ainda assim, esse é o caminho ideal.

Ao comprar uma lista, no entanto, você não tem como saber se aquelas pessoas estão interessadas no seu nicho ou não.

Pense um pouco e perceba que você provavelmente já recebeu e-mail de produtos que, simplesmente, não servem para você. E o que você fez com esses e-mails é muito simples, mandou para caixa de spam e talvez até tenha bloqueado o remetente, certo?

Pense que ao comprar uma lista a probabilidade de que isso aconteça com quase 100% dela é enorme. Por isso, não jogue seu dinheiro fora e construa sua própria lista de e-mails.

• Irregularidade nos envios

Outro grande desafio de se trabalhar com uma lista é encontrar a regularidade ideal do envio de e-mails.

Como em tudo na hora de começar o seu empreendimento digital, não existe uma receita pronta. Afinal de contas, tudo depende do seu nicho, do seu público e das especificidades do seu negócio.

No entanto, uma boa ideia para começar é enviar um e-mail por semana. Isso é o suficiente para que você não seja esquecido e não seja chato enviando e-mail de mais.

É muito comum entre os grandes empreendedores online fazer um e-mail na semana e enviar nele todo o conteúdo. Isso inclui os artigos novos do blog e o conteúdo de cada rede social específica.

O benefício disso é que há grandes chances do lead decidir ler pelo menos um desses conteúdos. E, portanto, você oferece a ele mais liberdade de escolha e flexibilidade.
Nesse aspecto, tanto e-mails de mais quanto menos e-mails do que o necessário podem ser prejudiciais ao seu negócio.

É claro que é importante lembrar de que ninguém acerta de primeira. Portanto, não se preocupe muito. O mais importante é que com o tempo você aprenda e ajuste a sua estratégia ao seu público.

Conclusão

Neste artigo você conferiu algumas informações valiosíssimas sobre o porque o e-mail marketing é tão importante.

Além disso, aprendeu também o que você precisa saber para criar a sua lista e dois erros que você jamais deve cometer.

E se você quiser continuar aprendendo mais sobre como se tornar um empreendedor digital de sucesso e ganhar muito dinheiro, leia também estes artigos:

Copywriting e persuasão: tudo o que você precisa saber para vender mais

7 Razões porque você deve fazer um treinamento antes de começar a trabalhar na internet.

Conheça o LeadLovers, a plataforma de Marketing Digital que vai fazer seus negócios decolarem.

Espero de coração que você tenha gostado deste conteúdo.

E se você gostou, deixe seu comentário abaixo, assim você me ajuda a construir mais conteúdo de qualidade e que realmente seja importante para você, leitor do meu blog.

​Read More